COBIT: o que é e como ele pode melhorar a gestão de TI?

Ao centralizar o COBIT e estudá-lo minunciosamente, dois termos surgem com maior representatividade: gestão da informação e governança.

A governança visa a simplicidade e transparência para processos, enquanto a gestão da informação lida com um grande volume de dados e sua complexidade, cruciais para o sucesso do negócio.

Além desses elementos, o COBIT também permite que a gestão de TI gere valor para as tomadas de decisão, automatizando processos e garantindo que seus responsáveis atuem mais fortemente no campo estratégico.

Conheça, neste post, um conceito prático desse framework, suas aplicações e como ele pode revolucionar sua gestão de TI!

O que é COBIT?

Control Objectives for Information and Related Technologies (COBIT) é um modelo de framework criado pela ISACA, em 1996, com o objetivo de oferecer diretrizes para o desenvolvimento do negócio a partir do gerenciamento otimizado de suas informações.

Inicialmente, seu foco era estabelecer controle de objetivos para auditorias financeiras que estavam sendo impactadas pela crescente utilização de tecnologias nas organizações.

Suas versões, porém, foram sendo aprimoradas para abranger outras áreas de atuação e também incluir mais controles técnicos e de governança.

Sua versão mais atual, o COBIT 5, foi desenvolvida por meio de otimizações das anteriores e com atenção às novas demandas de controle, permitindo, inclusive, que outros frameworks pudessem ser utilizados em conjunto, como o ITIL, CMMI e TOGAF.

Além de permitir a incorporação de tais modelos de gestão de TI, o COBIT 5 contribui mais fortemente com seus focos singulares: segurança, governança de TI e gerenciamento do risco.

Certificação: COBIT Foundation Exam

A certificação COBIT pode ser obtida na ISACA em dois modelos: o de implementação e o de assessor. A entidade oferece cursos e materiais preparatórios para o exame dos dois.

A certificação para implementação atesta que o profissional está apto a aplicar o COBIT 5 em problemas específicos da organização e mapear potenciais riscos para o negócio.

Já a certificação para assessor garante que o profissional possui capacidades para criar processos otimizados ou identificar aqueles que precisam ser melhorados. Nesse caso, além da prova, é preciso comprovar experiência relevante na área de, no mínimo, cinco anos.

O teste para os dois casos é aplicado pela internet, tem 40 questões e exige que o candidato acerte no mínimo 28 delas, ou seja, 70%.

Como é seu funcionamento na prática?

O COBIT funciona a partir de seus cinco pontos focais que compreendem o alinhamento estratégico, a entrega de valor, a gestão dos recursos, os riscos e a avaliação de seu desempenho.

Além disso, seu framework determina a divisão de 34 processos de TI em quatro domínios principais:

  • planejamento e organização;
  • aquisição e implementação;
  • entrega e suporte;
  • monitoramento e avaliação de desempenho.

Trata-se de uma organização processual fluida e, em diversas ocasiões, as divisões se misturam ou determinam o início e fim das demais.

Um detalhe importante do COBIT 5, porém, é que ele deixa mais clara a separação entre gestão e governança de TI ao sugerir PRMs (Process Reference Model) que descrevem minunciosamente os processos diferentes de cada um desses pontos focais.

De forma geral, o COBIT funciona por meio da definição de diretrizes e processos de controle de informações. Para isso, é necessário um mapeamento e, somente depois, um planejamento de otimização, execução e monitoramento das tarefas.

Quais suas aplicações?

Com o volume de dados gerados atualmente nas empresas, sua gestão, proteção e utilização necessitam de um método de controle e segurança.

Nesse sentido, o COBIT deve ser aplicado para realizar a gestão e a governança desse passivo tão estratégico para a empresa. Com um planejamento a partir de seu framework, pode identificar não conformidades com os objetivos da empresa, sugerir e organizar quem serão os responsáveis por sua tratativa.

Sua etapa de monitoramento também garantirá maior controle da gestão, o que permitirá que a TI possa atuar mais estrategicamente, planejar aquisições e justificá-las em sintonia com os objetivos da empresa e seus stakeholders.

Individualmente, porém, ele não pode solucionar todos os problemas da empresa. É preciso utilizar sistemas que permitam que sua metodologia seja aplicada integralmente.

Um de seus pontos é a utilização de uma ferramenta única e abrangente, que permita uma visão geral da gestão do parque tecnológico da empresa. Ela precisa englobar não somente a administração do inventário, mas também serviços auxiliares, como aqueles prestados pelo help desk, por exemplo.

Quais seus benefícios para a gestão de TI?

Integralmente implantado, o COBIT pode trazer uma série de benefícios para a gestão de TI. Entre eles, podemos apontar:

Otimização dos investimentos

Com os objetivos de TI alinhados com os do negócio, ao sugerir investimentos, o gestor de TI terá justificativas muito mais facilmente percebidas pelos demais setores.

Além disso, seus dados mais apurados por um sistema de gestão de inventário confiável garantirá que a compra seja realizada antes que as falhas de equipamentos comprometam a produção da empresa.

Definição de uma linguagem única

Como o COBIT não é vivenciado apenas na gestão da área de tecnologia da informação, outras gerências e diretorias ficarão mais familiarizadas com termos e nomenclaturas do framework.

Isso facilitará as tomadas de decisão e reuniões nas quais as tecnologias empregadas na organização sejam o foco das discussões.

Aumento da segurança das informações

Governança trata principalmente da segurança e transparência dos processos e tratamento das informações.

Com isso, melhores práticas são disseminadas para que todos os colaboradores envolvidos mantenham as informações da empresa em segurança.

Aumento da produtividade e eficiência da equipe de TI

Com processos bem determinados, otimizados e monitorados, a equipe de TI aumenta substancialmente sua eficiência.

Soma-se o fato de que uma das premissas do COBIT é trabalhar com um sistema único e abrangente, a equipe estará mais bem aparada por uma ferramenta que otimiza suas funções e garante maior produtividade na atuação.

O crescimento do inventário tecnológico das empresas em busca de melhores resultados precisa ser organizado e monitorado para que seus objetivos sejam, de fato, atingidos.

E talvez a maior contribuição do COBIT nesse sentido seja o alinhamento dos objetivos e desafios da organização com aqueles propostos ao TI. Por meio da governança de TI e transparência, o distanciamento, que muitas vezes é sentido entre esses setores, será vencido.

Quais são os maiores desafios da sua gestão de TI no momento? Algum dos frameworks citados neste post contribuiu para sua organização? Deixe seu comentário e defenda seus pontos fortes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *